You are currently browsing the category archive for the ‘Fobias’ category.

Na mitologia grega, Fobos era filho de Ares, o deus da guerra, e de Afrodite, a deusa do amor. Irmão gêmeo de Deimos, o “horror”, acompanhava o pai nas batalhas para botar medo nos adversários. Acabou virando o sufixo para um medo exagerado e incontido frente a objetos, animais ou acontecimentos que provoca, entre outros sintomas, taquicardia, suor, pânico e aversão.

O tratamento é feito através de remédios que combatam a ansiedade e, obviamente, muita psicoterapia. A literatura médica já registrou casos muito estranhos de pessoas que desenvolveram pavor em coisas relativamente simples e inofensivas. E é obvio que com a evolução da tecnologia, mais fobias vão surgindo como a motorfobia (medo de automóveis) e a logizomecanofobia (pavor de computadores).

A seguir mostramos algumas dessas expressões, mas se você sofrer de helenologofobia (medo de termos gregos) ou hipopotomonstrosesquipedaliofobia (medo de – pasme – palavras compridas), é melhor parar por aqui.

Fobias na vida em sociedade
Sofre quem tem haptefobia, já que não gosta de tocar em nada ou de ser tocado.

Já a heterofobia faz com que a pessoa tenha medo do sexo oposto. Homens com ginefobia têm pavor de conviver com mulheres. Já mulheres com hominofobia não querem ver homens na frente.

A oicofobia é o medo de lugares vizinhos de onde a pessoa mora enquanto a domatofobia já abarca o pavor de estar na sua própria casa. E, em tempo, eremofobia é o medo de ficar só.

Seu medo é de pensar? Então é a fibrifobia. Já a eleuterofobia é o medo de ter responsabilidades. E a fonofobia então, que é a fobia de se ter fobias?

Fobias no amor e no sexo
Quem sofre de filematofobia não beija, já a sexoafobia ou erotofobia impede a pessoa de praticar atos sexuais.

A gimnofobia é o pavor de ficar nu, enquanto a falofobia é o medo do pênis, e a itifalofobia é a aversão ao pênis ereto. Não podemos esquecer da colpofobia que, apesar de tratar de genitais em geral, acontece mais em relação aos femininos.

A anuptafobia é a repugnância em se ficar solteiro, a gamofobia por casamentos, enquanto a armaofobia é o pavor pelo jogo amoroso.

Se um homem sofre de caliginefobia não pode chegar perto de Luiza Brunet porque sua aversão é a mulheres bonitas, mas se o problema fosse unatractifobia, então o medo seria de pessoas feias.

Existe a hamartofobia, que é o pavor de vir a pecar, mas não confunda com hedonofobia. Nesse o problema é sentir prazer.

Em tempo, a novercafonia é o medo incontrolável da sogra.

Fobias do reino animal
Existe a zoofobia, que é o pavor por qualquer animal, mas a pessoa pode ter aversão a algum bicho específico ou a um grupo deles. Por exemplo, a agrizoofobia refere-se apenas a animais agressivos (e quem não tem medo?). Já a equinofonia é o medo de cavalos, a alectorofobia de galinhas, a batracofobia de batráquios (sapos, rãs, salamandras etc) e a bufonofobia só trata de sapos mesmo.

Quem possui ailerofobia ou galeofobia não pode ver um gato na frente, mas se for amicofobia, o grande problema é ser arranhado.

A isopterofobia faz a pessoa tremer frente a um cupim, e na mirmecofobia as formigas são as grandes vilãs. Na motefobia, a simples visão de mariposas e borboletas já causa tremores.

A campeã de todas é a anatidaefobia ou medo incontrolável de ser observado por patos.

Fobias no corpo
Se o assunto for os olhos, temos a ometafobia (medo dos olhos), a escoptofobia (ser olhado), escotomafobia (ficar cego), eisoptrofobia (olhar-se no espelho), escotofobia (escuridão) e até fengofobia (luz do sol).

A ambulofobia faz a pessoa ter medo de andar, e a basofonia, de cair ou ficar em pé. A corofobia faz com que o doente não dance.

A falacofobia é o pavor em ficar careca, enquanto a caetofobia trata dos pelos, e a tricofonia, dos cabelos.

Se o que lhe apavora é vomitar, então é um caso de emetofobia, mas se for somente vomitar em avião, então o termo correto é aeronausifobia.

Quem tem medo de falar sofre de lalofobia; já na onomatofobia, o pavor é de ouvir determinadas palavras ou nomes.

Da lista de estranhos, o mais esquisito mesmo é a estruminofobia ou o medo de morrer defecando, mas não podemos esquecer da araquibutirofobia ou a versão que se grude no céu da boca a pele de certos alimentos como amendoim ou pipoca.

Fobias das crenças religiosas
Nem aquilo que supostamente nos deve dar conforto consegue curar alguém com teofobia (medo de Deus ou de religião). Na teleofobia a aversão é de definir ou planejar cerimônias religiosas.

Há os que tem papafobia (sim, medo do Papa) e estaurofobia (medo da cruz ou do crucifixo).

A estigiofobia é o pavor pelo inferno, já que Estige era o rio que as almas penadas cruzavam na mitologia grega.

Na linha mais pitoresca, temos a triscaidecafobia (pavor do numero 13), a espectrofobia (fantasmas), mas quem não tem um pouquinho de tanatofobia ou medo de morrer?

Fonte: http://saude.terra.com.br/interna/0,,OI4348748-EI1497,00-As+diversas+fobias+encontradas+na+literatura+medica.html

 Consultório

Rua Martiniano de Carvalho, 864 – Cj 907
Bela Vista
Próx. ao Metrô Vergueiro (200m.) e Shop. Paulista (200m.)
São Paulo
Fone: (11) 3481-0197
E-mail: psicoclinicas@yahoo.com.br
Site: http://sites.google.com/site/psicoclinicas/

Anúncios