bipolar

Naturalmente, ao longo da vida, experimentamos sentimentos como o medo, a coragem e ousadia, energia, desânimo, alegria, tristeza, apatia, interesse ou desinteresse em muitos momentos e nas mais diversas intensidades.

É saudável quando nos sentimos felizes e animados diante do nascimento de um filho, de uma conquista profissional, assim como é comum ficarmos tristes com a morte de alguém querido, o rompimento de um namoro ou casamento. O estado natural de humor deve variar de acordo com a necessidade afetiva de cada situação, no entanto, quando estas respostas emocionais estão desproporcionais ou inadequadas a situação vivida e juntamente, são oscilantes no humor e alterações afetivas, passa-se a não ser mais algo “normal”. Há a possibilidade então de se identificar aí o TAB.

Ou seja, um portador do transtorno bipolar está sujeito a variações de episódios de extrema alegria, euforia e humor excessivamente elevado, assim como episódios de humor muito baixo e desespero. É comum também entre um episódio e outro a existência de um período de “normalidade”.

O Transtorno Afetivo Bipolar (TAB), antes conhecido como Psicose Maníaco Depressiva (PMD) e também conhecido como Transtorno Bipolar de Humor (TBH) é uma doença relacionada diretamente ao afeto e humor. É um quadro crônico e se caracteriza por episódios repetidos de depressão e euforia.

COMO IDENTIFICAR O HUMOR

Euforia (mania)

O bipolar dificilmente percebe quando está hiper agitado e se recusa a perceber e, muitas vezes, gosta deste estado. Resiste então ao tratamento medicamentoso e abusa de drogas, álcool, perde o seu controle financeiro, age impulsivamente e vive um otimismo exagerado.

Em períodos de euforia, o indivíduo torna-se agitado, dorme pouco, fala muito ou tem muitos pensamentos e idéias ao mesmo tempo. Há alteração na libido, ou seja, o aumento do desejo sexual.

Socialmente, perde o bom senso crítico e, muitas vezes, passa por situações vexatórias por perder a inibição social.

Depressão

Nesta fase, o portador de TAB se torna abatido, triste e quieto; apresenta-se muito cansado, com muito sono, reclama de tarefas simples e cotidianas como tomar banho, trocar de roupa ou escovar os dentes; se sente inferior a todos, ou seja, baixa auto-estima.

O apetite se altera, pode aumentar assim como diminuir, dependendo de cada pessoa, quedas de imunidade são comuns, ou seja, adoecimentos constantes, dores de cabeça e pelo corpo.

É comum a queda da libido o que pode acarretar o afastamento de seu companheiro (a), assim como ocorre um isolamento social, afastando-se de amigos e família.

Emocionalmente pode se sentir muito culpado por erros anteriores, assim como fracassos tanto profissionais e pessoais, irritabilidade, lamentos e auto-recriminação. Os pensamentos suicidas também são comuns nesta fase exatamente por se sentir mal com sua vida e não ter forças para mudar.

A conseqüência maior da depressão é a possibilidade do suicídio.

TRATAMENTO

O tratamento é feito através de acompanhamento psicoterápico e medicamentoso. São geralmente utilizados antidepressivos e o carbonato de lítio, com dosagens controladas e rigorosamente analisadas e prescritas pelo médico psiquiatra.

Para controlar as crises é necessário:

– o apoio de um psicólogo assim como de um médico;

– o uso da medicação prescrita conforme recomendação médica;

– a interrupção do uso de remédios pode desencadear crises mais fortes de depressão e euforia;

– restrição ao consumo de álcool e uma adaptação de vida como estabelecer horários regulares, assim como horas suficientes para o sono, atividade física saudável e alimentação equilibrada.

Fonte: https://sites.google.com/site/psicoclinicas/home/transtorno-afetivo-bipolar

Consultório
Rua Martiniano de Carvalho, 864 – Cj 907
Bela Vista
Próx. ao Metrô Vergueiro (200m.) e Shop. Paulista (200m.)
São Paulo
Fone: (11) 3481-0197
E-mail: psicoclinicas@yahoo.com.br
Site: http://sites.google.com/site/psicoclinicas/

Anúncios